açores || sete cidades pela vista do rei


A última paragem na ilha de S. Miguel foi a Lagoa das Sete Cidades. Infelizmente o tempo estava péssimo para conseguir visualizar a diferença das cores - verde e azul, mas ainda assim é uma vista fantástica.

os vinte & cinco || a wishlist


Todos os anos, tal como no Natal, sonho ter algumas coisinhas no meu aniversário. Coisas simples. Normalmente acabo sempre por oferecer algumas coisas a mim mesma mas este ano, não comprei nada. Passei a viver sozinha e possivelmente vou fazer umas sessões de cavitação. Considero isso óptimos presentes de mim para mim. Já o meu grupo de amigos tem sempre a tradição de comprar umas coisinhas e dividem as contas entre eles. É sempre uma surpresa aquilo que se vai receber. Sei disso porque sei o que é estar em ambos os lados.

No entanto, posso sempre partilhar com vocês o que gostava de receber - sim, sei que uma em especial é muito difícil mas nunca se sabe, talvez no Natal por exemplo. Se quiserem fazer uma vaquinha entre vocês e oferecer algo, estão à vontade ihihi.

os vinto & cinco || a caminho deles


Daqui a uma semana faço 25 anos. Um quarto de século. Estou a ficar velha mas sinto-me muito bem com a idade que tenho e com a que vou fazer. Eu gosto de fazer anos. Fazer anos no Dia de S. João também ajuda mas há sempre festa garantida. A noite de S. João, a queima do pinheiro (tradição por aqui), o jantar de aniversário no dia 24, e o jantar no dia a seguir com os amigos porque não podem estar comigo na sexta.

Marquei férias para esta altura mas infelizmente não as posso gozar o que significa que não posso assistir às Cavalhadas que é algo que aprecio bastante e acreditem, eu emociono-me a sério!

Este ano vou fazer o jantar com os amigos na minha casa. Como ainda não fiz o jantar de inauguração, "mato dois coelhos numa cajadada só" e está o assunto resolvido.

A uma semana do meu aniversário falta organizar muito bem o que vou colocar na mesma de sábado sabendo que tenho um amigo vegetariano. Se tiverem dicas, estou aberta a sugestões.

comerciais || a energia da galp



Confessem: ultimamente vocês têm ficado colados ao ecrã quando passa um comercial que vos cativa e não importa as vezes que ele é transmitido, vocês dizem sempre "Bolas, este está mesmo bom".

Eu confesso e o da GALP é um bom exemplo. O que é dito cativa. O instrumental, o texto. É inspirador. E tomei a liberdade de adoptar a última frase como lema de vida. 

"Se queremos ir longe, o melhor é irmos juntos."

açores || o parque terra nostra


O Parque Terra Nostra é um majestoso parque botânico com mais de duzentos anos e é propriadade privada do actual Hotel Terra Nostra no qual os hóspedes têm acesso gratuito mas se formos apenas visitantes a entrada tem um custo de seis euros.

Para além de encontrarmos uma variedade de espécies da flora e fauna, a grande razão do parque ter muita procura chama-se "piscina de água férrea vulcânica". Aqui a água mantém-se a uma temperatura de uns agradáveis vinte e cinco graus. O que pode fazer confusos aos mais esquisitos é a cor da água. Castanha. Aquela cor da qual nós fugimos porque dizem ser má, estão a ver? Pois bem, esta é a única que eu conheço como sendo boa.

Infelizmente não tive oportunidade de aproveitar um pouco esta piscina, mas ao menos deu para colocar a mão e de facto estava quente. Ainda assim, poder caminhar e ouvir os sons da natureza é super relaxante e é, sem dúvida, uma sensação muito boa.

Confesso, sou cosmopolita e uma vida calma demais irrita-me mas naquele momento, o silêncio e a paz souberam mesmo bem.

açores || as furnas e o cozido


Ir à Ilha de S. Miguel e não provar o famoso Cozido das Furnas é como ir ao Porto e não comer Francesinha.

Antes do almoço, tive a oportunidade de ver o cozido a ser desenterrado. O Cozido das Furnas é feito debaixo de terra, onde são colocados todos os ingredientes necessários, coloca-se numa pequena caldeira na qual passa água vulcânica e onde o cheiro a enxofre é muito mais intenso. Para se poder almoçar às 13:00, é necessário colocar a panela a cozer debaixo de terra pelas 07:00. Exactamente, sete horas a cozer a uma temperatura constante. Não é de estranhar que todos os elementos deste cozido saibam a enxofre. Nota-se mais nos legumes e na batata. É um sabor completamente diferente que a mim não me convenceu muito. O almoço foi feito no Restaurante Tonys, dizem que é o melhor.

Estando nas Furnas, adorava ter aproveitado um pouco para aproveitar a piscina termal. Diz que faz bem a imensos problemas musculares e ósseos. Consegui colocar a mão e estava, de facto, quentinha. Mas alerto, a água é castanha, pode fazer um pouco de confusão aos que gostam de águas límpidas.

Visitar as Furnas é obrigatório. As paisagens são maravilhosas e aconselho a levarem umas boas sapatilhas porque quando andam perto das caldeiras todo aquele chão queima. Se andarem de chinelos, lá se vai a sola e se se armarem em chicos-espertos e colocarem a mãozinha para sentirem o calor, bem que ficam com ela agarrada ao chão. São temperaturas abismais!

Ir às Furnas foi, para mim, dos melhores locais que conheci na curta estadia em S. Miguel. Aquilo sim, é a verdadeira força da Mãe-Natureza.

açores || chá gorreana


O primeiro ponto de paragem foi a Fábrica de Chá Gorreana. É aqui que se encontra a única plantação de chá da Europa. O Filipe, o guia açoriano super simpático, com um sotaque maravilhoso, e que trabalha para a empresa Picos de Aventura, fez-nos uma visita guiada dentro da fábrica explicando o processo deste famoso chá.

comerciais || edp e os seus 40 anos



A primeira vez que vi este comercial olhei porque a música atraiu-me. E depois, observei. A história que conta, é fantástica. Mais uma publicidade que está nas minhas favoritas.

E a música? Vocês já prestaram a devida atenção à letra?

açores || certificado pela natureza


Tive a oportunidade de ir à Ilha de S. Miguel em Fevereiro. Feitas as contas apenas consegui aproveitar ao máximo o dia 27 de Fevereiro pois o dia 26 foi apenas chegar e dormir, e no dia 28 deu para um passeio de manhã, uma formação à tarde e o voo de regresso ao final do dia.

Dizem que o tempo nos Açores resume-se às quatro estações num dia só. Nos poucos dias que lá estive o tempo estava razoável. O dia acordava nublado e durante o dia mantinha-se assim com uns raios de sol a dar o ar da sua graça.

As fotografias ficaram todas um pouco "acinzentadas" e a beleza açoriana verdejante não está bem explícita mas do que vi fiquei curiosa para conhecer mais mas admito que não foi dos destinos que mais gostei pelo simples facto da vida na ilha ser demasiado calma.